Resumo: Parto

Parto

Para baixar o resumo completo em .pdf, clique aqui.

parto

ESTÁTICA FETAL
  • ATITUDE
    • Relação de partes fetais entre si.
    • Ovóide fetal.
  • SITUAÇÃO
    • Maior eixo fetal com maior eixo uterino.
    • Longitudinal ou transversa ou oblíqua.
    • Transversa é indicação absoluta de cesárea.
    • Transversa ocorre por placenta prévia, mioma no segmento.
  • POSIÇÃO
    • Posição do dorso fetal com o abdômen da mãe.
    • Direita, esquerda, posterior e anterior.
  • APRESENTAÇÃO
    • Qual polo se apresenta para a pelve.
    • Cefálica, pélvica e córmica.
  • FLEXÃO VS. DEFLEXÃO
    • Fletida ou occipital
      • Referência é o lâmbda.
      • Mais favorável para o parto.
      • Menor diâmetro: suboccipitobregmático.
    • Defletida 1º grau ou bregma
      • Referência é o bregma.
    • Defletida 2º grau ou fronte
      • Referência é a glabela.
      • Indicação absoluta de cesárea.
    • Defletida 3º grau ou face
      • Referência é o mento.
      • Mento-posterior é impossível de nascer.
  • SINCLITISMO E ASSINCLITISMO
    • Sinclitismo
      • Sem inclinação lateral.
    • Assinclitismo
      • Posterior: sagital próxima do pube.
      • Anterior: sagital próxima ao sacro.
  • VARIEDADE DE POSIÇÃO
    • Cefálica: referência é o lâmbda.
    • Pélvica: referência é o sacro.
      • Completa e incompleta.
    • Córmica: referência é o acrômio.
  • MANOBRAS DE LEOPOLD-ZWEIFEL
    • Primeiro tempo
      • Determina a SITUAÇÃO.
      • Duas mãos no fundo do útero, descendo para encontrar o polo que está lá.
      • Determinar se há polo no fundo do útero: se houver, situação é LONGITUDINAL.
    • Segundo tempo
      • Determina a POSIÇÃO.
      • Encontrar pequenas partes e grande parte fetais.
    • Terceiro tempo
      • Determina a APRESENTAÇÃO.
      • Pinçar o polo inferior e determinar o que se insinua na pelve, além de sua mobilidade.
    • Quarto tempo
      • Determina a INSINUAÇÃO / ALTURA.
      • Se os dedos entram na pelve, não houve insinuação.
  • BACIAS
    • Ginecoide
      • Forma arredondada.
      • Mais favorável e mais comum.
    • Androide
      • Forma de coração / triangular.
      • Mais associada a distócias.
    • Platipeloide
      • Mais rara.
    • Antropoide
      • Maior diâmetro é o anteroposterior.
      • Bacia “anteroposterioide”.
  • TRAJETO
    • Estreito superior
      • Conjugata obstétrica: da face interna da sínfise púbica até o promontório.
      • Conjugata diagonalis: da borda inferior da sínfise púbica até o promontório.
    • Estreito médio
      • Espinhas isquiáticas: lateralmente no toque vaginal.
      • Menor diâmetro / mede 10 cm.
DINÂMICA DO PARTO
  • TEMPOS
    • Tempos principais
      • Insinuação.
      • Descida.
      • Desprendimento.
      • Restituição.
    • Tempos acessórios
      • Flexão.
      • Rotação interna.
      • Deflexão.
      • Desprendimento dos ombros.
RUPTURA PREMATURA DE MEMBRANAS OVULARES
  • DEFINIÇÃO
    • Ruptura da bolsa amniótica fora do trabalho de parto.
    • Não depende da idade gestacional.
  • DIAGNÓSTICO
    • Padrão-ouro: exame especular.
    • Teste da Nitrazina (fita de pH).
    • Teste da cristalização: na RPMO ocorre cristalização.
    • AmniSure®: pesquisa de alfamicroglobulina placentária.
  • CONDUTA
    • Buscar evidências de corioamnionite: sempre parto.
      • Febre, leucocitose, taquicardia, útero doloroso, liquido fétido.
    • Sem infecção ou sofrimento fetal agudo
      • 24-32/34 semanas
        • Betametasona 12 mg IM, duas doses.
        • Antibiótico: Ampicilina 2 g IV 6/6h + Azitromicina 1 g VO.
      • > 32/34 semanas
        • Conduzir o parto, pois há há maturidade pulmonar.
        • Avaliar maturidade pulmonar em caso de dúvida: fosfatidilglicerol ou relação lecitina/esfingomielina.
INDUÇÃO DE PARTO
  • OCITOCINA
    • Ideal para BISHOP > 9.
    • BISHOP: altura da apresentação + colo (dilatação, apagamento, consistência e posição).
  • MISOPROSTOL
    • Ideal para BISHOP desfavorável.
    • Não usar misoprostol se houver cicatriz uterina (qualquer).
  • KRAUSE
    • Preparo o colo com sonda Foley.
TRABALHO DE PARTO PREMATURO
  • FATORES DE RISCO
    • História de prematuridade.
    • Fatores cervicais: incompetência, cicatriz, conização, colo curto.
    • Anemia.
    • Desnutrição.
    • Polidramnia, gemelaridade e macrossomia.
    • ITU.
    • Vaginose.
  • PREDIÇÃO
    • Fibronectina fetal na vagina: se normal, liberar.
    • USG (18 e 24 semanas) com colo < 25 mm: mulheres de alto risco.
  • CONDUTA
    • Neuroproteção com sulfato de magnésio para TODOS < 32 semanas.
    • 24-34 semanas
      • Corticoide: betametasona.
      • Tocólise: não fazer se sofrimento fetal agudo ou corioamnionite.
        • Indometacina: contraindicado > 32 semanas (fechamento precoce do ducto arterioso).
        • Nifedipino: causa hipotensão e evitar em ICC.
        • Beta-agonista: evitar em EAP, diabetes.
        • Atosiban: antagonista específico da ocitocina, sem contraindicações.
    • > 34 semanas
      • Conduzir o parto.
CESARIANA
  • INDICAÇÕES ABSOLUTAS
    • Placenta prévia total.
    • Desproporção céfalo-pélvica absoluta.
    • Herpes genital ativo.
    • Apresentação córmica e defletida de segundo grau.
    • Cesárea clássica => corporal.
    • Condiloma com obstrução do canal de parto.
ASSISTÊNCIA AO TRABALHO DE PARTO
  • PARTOGRAMA
    • Anormal
      • Fase ativa prolongada
        • Dilatação menor de 1 cm/h.
        • Discinesia uterina?
        • Cruza a linha de alerta.
      • Parada secundária da dilatação
        • Dilatação mantida em 2 horas.
        • Desproporção céfalo-pélvica?
        • Observar metrossístoles: definir ocitocina (se pouca) ou cesárea (se eficazes).
      • Parada secundária da descida
        • Expulsivo: altura mantida por uma hora.
        • Desproporção céfalo-pélvica?
      • Período pélvico prolongado
        • Expulsivo: descida é lenta, mas não parou.
      • Taquitócito
        • Resolução do trabalho de parto em até 4 horas.
        • Causas: iatrogenia (ocitocina) ou grandes multíparas.
  • FASES CLÍNICAS
    • Primeiro: Dilatação
      • Definição
        • Inicia com o trabalho de parto e termina com dilatação total.
        • Colo aumenta 2-3 cm com dilatação progressiva.
        • Contrações 2-3 em 10 minutos, rítmicas e regulares.
        • Saída de tampão mucoso não é trabalho de parto.
      • Conduta
        • Dieta: líquidos claros (água, chás).
        • Evitar decúbito dorsal / deambulação livre.
        • Decúbito lateral esquerdo.
        • Tricotomia: não fazer de rotina ou na hora da incisão.
        • Amniotomia: não romper bolsa de rotina.
        • Toques: tocar de 2/2h.
        • Ausculta: antes, durante e após a contração de 30/30 minutos (baixo risco) ou 15/15 minutos (alto risco).
    • Segundo: Expulsivo
      • Definição
        • Tempo decorrido após a dilatação total.
        • Anormal: > 1h em multíparas ou > 2h em primíparas.
      • Conduta
        • Proteção do períneo: manobra de Ritgen modificada.
        • Episiotomia: feto grande, parto a fórcipe.
          • Mediana (perineotomia): menos lesão muscular, menos sangramento, menos dispareunia. Mais lesão de esfíncter, requer corpo perineal favorável.
          • Médio-lateral: menos risco de rotura de terceiro e quarto graus. Boa para corpo perineal desfavorável.
    • Terceiro: Secundamento ou Dequitação
      • Definição
        • Saída da placenta.
      • Mecanismos
        • Schultze: face fetal / brilhosa / mais comum.
        • Duncan: face materna.
      • Conduta
        • 10 U Ocitocina IM após a expulsão fetal.
        • Tração controlada do cordão umbilical.
        • Manobra de Fabre.
        • Pressão suprapúbica.
        • Manobra de Jacob-Dublin: rotação da placenta.
    • Quarto período 
      • Definição
        • Primeira hora após o Secundamento.
        • Hemostasia: miotamponagem + trombotamponagem.
      • Risco de hemorragia
        • Tônus: hipotonia uterina.
        • Trauma: lacerações.
        • Tecido: restos placentários.
        • Trombo: consumo de fatores de coagulação, coagulopatias.
  • COMPLICAÇÕES NO PARTO PÉLVICO
    • Desprendimento in situ
      • Retirada dos braços um a um, acompanhando movimentos fisiológicos.
    • Manobra de Bracht
      • Virar a criança sobre a pelve da mãe.
    • Manobra de Rojas
      • Rotação da criança 180º.
    • Manobra de Liverpool
    • Fórcipe de Piper